Colunista da seção “Comportamento Social” da Revista Doutrina.

Colunista da seção “Comportamento Social” da Revista Doutrina.

Colunista da seção “Comportamento Social” da Revista Doutrina, acesse clicando aqui

Propósito de vida como leme do existir.

As transformações que o planeta Terra vem passando, nos últimos anos, estão cada vez mais presentes em nossas vidas. Temos assistido e somos impactados por inúmeros fatos inesperados, como acidentes aéreos, catástrofes, cenários políticos que fogem à racionalidade e à ética, instabilidade econômica que balançam as estruturas capitalistas, eventos climáticos devastadores, revelações transformadoras que põe a fé e a esperança à prova.

As estruturas racionais humanas nem sempre se mostram lógicas como antes, pois os fatos inesperados desestabilizam crenças consolidadas, tirando-lhes o chão debaixo dos pés.

As informações estão sendo, cada vez mais, rapidamente espalhadas pelos lares e mentes com a crescente multiplicação informacional dos meios digitais. Somos absorvidos pelas notícias que chocam e sensibilizam grande parte da população mundial, quase que em tempo real, colocando-nos diante das emoções mais primárias da tristeza, da raiva, do medo e da culpa.

O cenário materialista das externalidades do mundo nos tem impulsionado a entrar em contato com a nossa internalidade, na condição humana fragilizada.

Para entendermos este Ser de forma integral é necessário ampliar o nosso olhar, de modo a perceberemos que, quando estamos sintonizados com esse meio energético deletério, a estrutura sutil também sofre e reflete este sofrimento em forma de doenças do corpo e da alma, fazendo multiplicar as mazelas e os doentes.

Neste cenário, as buscas por explicações para o sentido da existência induzem-nos ao autoconhecimento e à transformação pessoal, que se torna terreno fértil e nos impulsiona à tão necessária reforma íntima. Muitos não encontram respostas e, em suas fragilidades psíquicas, preferem tirar suas vidas, achando que com a morte estarão solucionando seus problemas, sem saber o que lhes espera do outro lado da vida.

Em contrapartida, um crescente movimento de ampliação da consciência está também se multiplicando, levando mensagens, informações e autoconhecimento para àqueles que buscam respostas e algo que possa lhes trazer sustentação e novos sentidos para existir nesse momento de tantas instabilidades externas.

Diante deste cenário, percebe-se que o impacto dos acontecimentos na vida e na mente humana tem servido como despertador para que muitos de nós paremos para refletir sobre o verdadeiro sentido do existir e sobre o nosso propósito de vida aqui na terra.

O despertar não se dá de forma homogênea. Cada indivíduo tem o seu momento, o seu caminho e formas próprias de caminhar diante das incertezas materiais. Diante dos desígnios de Deus, todos os caminhos levam a um só destino: ao Amor a tudo e a todos, inclusive a si e ao próximo, em perfeita harmonia dentro da unicidade do Universo.

Na condição humana e diante do poder de escolha que nos é concedido pelo livre arbítrio, vamos percorrendo de forma mais direta e rápida na medida em que fazemos escolhas mais coerentes e convergentes com o Propósito Divino de evolução.

Na vida aqui na Terra assumimos diversas missões que nos encaminham para este Propósito maior do Amor, mas que nem sempre fazemos a escolha mais rápida e acertada.

No cotidiano, de espíritos em evolução, ainda estamos nas encruzilhadas do caminho, muitas vezes indecisos, buscando as direções para o nosso existir. Muitos estão perdidos nos atalhos procurando se encontrar, mas sem saber que direção tomar.

Quando ficamos na horizontalidade do mundo e mais distantes da verticalidade da ligação com o Divino, temos mais dificuldades de encontrar este caminho de evolução. Na medida em que retomamos a nossa ligação com o Divino em nós e, reestabelecemos a conexão com o Criador, reassumimos o nosso papel de co-criadores rumo à nossa evolução e a do Planeta.

Para melhor estabelecer esta conexão diante das decisões precisamos reafirmar em nós a finalidade das nossas ações. Retomarmos e focarmos no Propósito de Deus: O Amor.

O propósito se relaciona à tomada de decisão, àquilo que se pretende alcançar ou realizar e que se tem como finalidade, algo a se mirar. Neste sentido, em cada momento da vida poderemos nortear nossas vidas com pequenos propósitos diferentes, em função das situações pelas quais estamos passando. Porém, ter um propósito que se baseie no Amor como destino final, nos dará este direcionamento fortemente embasado na intenção, que atuará como motor e como leme nos motivando e auxiliando a manter a direção correta. Cada pequeno propósito será como estações que nos impulsionam para alcançar o propósito maior que é o nosso Destino: o Amor Universal.

Mas, como saber se estamos indo na direção certa? Algumas dicas nos auxiliam. A primeira delas é equilibrar a razão e a emoção. Estar atento aos sentimentos que nos movem. Para isso, sempre que for agir e antes de tomar uma decisão, ao invés de perguntar “por que” farei isso? Pergunte-se “para que” farei isso? Verifique se o seu propósito é bom para você, para o outro e para o meio que lhe cerca, a curto e longo prazo: Analise, reflita, ajuste.

Segundo Maura de Albanesi, em seu livro “A espiritualidade e você”, quando identificamos o “para que” das nossas ações e projetos, entramos em contato como a finalidade, e tudo passa a ter um sentido, a ação ganha um propósito divino. Torna-se importante identificarmos o “para que”, pois este ativa a o coração, dizendo-nos o que fazer, e o “por que” para ativar a razão, nos trazendo a solução do “como” fazer para torna-lo realidade. E, ao estar consciente do propósito altruísta que rege sua vida, você terá melhores condições de alcançar seus objetivos e o seu sucesso pessoal. Desta forma, você estará contribuindo para o progresso geral e dando os passos necessários na direção do propósito maior da nossa existência na condição de espíritos imortais.

Matéria completa na página 130!

 

Nenhum comentário